Testámos as Skechers GOrun ride 5

sk_gr5_edit696

A proposta era simples: correr cerca de 20 km para perceber como os nossos pés (pernas, anca, coluna e tudo) iam reagir às novas GOrun Ride 5 da Skechers e, verdade seja dita, não podia ter corrido melhor.

Calçámos as sapatilhas e logo aos primeiros dois passos percebemos que o conforto reinava. Justas no sítio onde devem ser e largas onde é preciso, estas sapatilhas têm um espaço adicional na parte da frente, o que garante uma maior liberdade de movimentos e conforto.

Saímos para a rua (sim, fomos treinar nos meandros da cidade, com tudo a que temos direito, mas a isso já lá vamos) e assim que começámos a correr percebemos que a leveza é, claramente, um dos pontos a favor neste novo modelo. Com uns simpáticos 238 gramas de peso, a sensação de se estar de “pantufas”, como muitas pessoas chamam a esta gama da Skechers, é clara: macias, confortáveis e quase imperceptíveis nos pés. Para além da questão do peso, estas Sketchers, cujo têxtil é agradável ao toque, não tem costuras proeminentes. A própria palmilha, que poderia causar desconforto, é incorporada na estrutura da sapatilha sem que seja evidente qualquer tipo de rugosidade ou rebordo.

Corremos na estrada e corremos na dita calçada portuguesa e, aqui, más notícias: escorregam um pouco, principalmente com piso molhado, mas, convenhamos, quem nunca patinou na calçada portuguesa?

Continuámos a correr e às vezes a saltar (há que testar como deve ser) e o amortecimento destas GOrun é outro ponto a favor: pé seguro e pé aconchegado, mesmo naquele momento da calçada portuguesa. A base deste conforto está na tecnologia 5GEN, um upgrade da tecnologia Resalyte utilizada pela marca nesta gama. Este composto de espuma EVA e borracha que fica entre as solas, foi, como diz a própria marca “desenvolvido para oferecer aos corredores um retorno de energia, sem sacrificar a proteção de amortecimento, tração e durabilidade. 5GEN é 20% mais resistente do que Resalyte e é, portanto, uma entre sola macia e protetora, extremamente energética.” Na questão da comodidade não nos esqueçamos também dos 4 mm de drop (diferença entre o calcanhar e a parte da frente do pé), que conferem ao corredor uma passada quase natural, sem causar desequilíbrios.

Em relação à questão estética, o seu formato quase quadrado, não lhe confere o lugar cimeiro na categoria de sapatilhas mais bonitas do mundo. Contudo, as cores vibrantes misturadas num jogo tridimensional  dão-lhes um ar bastante divertido, que nos deixa meio enamorados. A verdade é que, para quem nunca experimentou umas Sketechers desta gama, os primeiros momentos com elas nos pés são um bocado duvidosos, mas é como diz o ditado: primeiro estranha-se e depois entranha-se.

Resta dizer que este modelo está à venda por quase 100 euros, nas lojas Sketechers.

Lúcia Sousa

0 comentários

Leave a Reply

Faça login para comentar