3
Do que o ano nos prepara
azoresluiscampos meta696
É todos os anos assim. Depois do resultado do sorteio das inscrições para as diversas provas no Mont Blanc do último fim de semana de Agosto, começam a definir-se os calendários dos que têm no trail e na corrida de resistência o seu escape para conquistas desportivas, vida saudável e alívio do stress da era moderna. Nós fazemos o mesmo. Apesar dos pontos conquistados e mesmo com o dobro de chances para o sorteio do UTMB por ser o segundo ano de candidatura, não tivemos sorte e não fomos um dos selecionados para a prova rainha do trail mundial. Resta-nos o conforto de saber que à terceira candidatura, rezam as regras, é de vez e não dependerá da sorte o salto para a lista de inscritos.
Quem segue com alguma atenção as redes sociais, começa a notar a abertura de inscrições para as restantes provas do calendário internacional, num esforço de cativar os euros que os descontentes tinham reservados para viagem e estadia na Suíça. Vai daí é vê-los – os descontentes como nós – a organizarem o ano com a prova que lhes dará a adrenalina suficiente para uma futura participação na volta ao Monte mais desejado da Europa. Da Ultra Pirinéu à Epic Buff, passando pelo Toubkal, Ehunmilak ou Grande Raide dos Pirinéus, todas as provas acenam com as suas atrações para serem o refúgio dos mais de dez mil atletas não sorteados em Chamonix.
Por cá afina-se o calendário à medida de todos esses grandes desafios. Todos os fins de semana haverá provas para todos os gostos. O ano começou com a habitualmente elogiada organização alentejana, num concorrido Trail Vicentino da Serra que levou várias centenas de atletas até aos trilhos portalegrenses. No próximo fim de semana começa o Território Circuito Centro, com a etapa de Proença a Nova, que levará os atletas a vários dos paraísos do Pinhal Interior e da Beira Baixa. Na semana seguinte teremos a prometida épica edição dos Trilhos dos Abutres pelas subidas e descidas lamacentas rodeadas por coros celestiais de quedas de água e impropérios dos menos preparados. Em Fevereiro começa o calendário de Ultra Endurance com o inevitável Ultra de Sicó, com distâncias para todos os gostos e abastecimentos com todas as tentações. Nos Açores estreia uma nova prova, a Columbus Trail Ilha de Santa Maria, com distância máxima de 77 km numa volta à primeira ilha onde atracou o navegador na viagem que o levou à descoberta da América.
Março é mês de Paleozóico e do seu carrossel – que inclui um elevador – pelas Serra de Valongo. Este ano coincide com o Ultra Trail Aldeias de Xisto, antecipado por uma boa causa: a realização do Mundial de Trail no Gerês, pela mão do mais mediático ultra corredor português – Carlos Sá – em Outubro. O UTAX, primeira prova do Circuito Ultra Endurance da Associação de Trail Running de Portugal, é também Taça de Portugal.
Abril será o mês mais internacional do trail português, com o Madeira Island Ultra Trail – agora integrante do circuíto mundial, o Ultra Trail Series – e com o Peneda Gerês Trail Adventure, prova que se realiza pelo terceiro ano consecutivo e que levará ao Minho muitos dos que em Outubro virão ao Mundial e muitos dos que querem voltar a correr numa região que é um hino à beleza natural. Há muitas alternativas neste mês de Abril: A Ultra Geira Romana, o Arrábida Ultra Trail, Almourol ou Linhas de Torres. A Ultra do Piodão abre o preenchido calendário primaveril.
Em Maio haverá duas provas do circuito Ultra Endurance: São Mamede com os seus 100 km de festa garantida e o Estrela Grande Trail, organizado por Armando Teixeira na Serra mais alta de Portugal continental. Há ainda o Faial de costa a costa e a novidade ultra que partirá e chegará à cidade da Horta, projetando esta prova para a categoria ultra endurance com os seus mais de 80 km.
Junho é mês de Oh Meu Deus, a exclamação de todos os que se aventuram na, até há um ano, única prova de 100 milhas (160 km) em território nacional. Também na Serra da Estrela, é uma das provas que mais pontos atribui para o UTMB. Ainda em Junho haverá o Trail dos 4 Caminhos ou o divertido Loucos da Reixida. Para o último fim de semana está já marcado o Ultra Trail Serra da Freita, agora na distância centenária, e palco de alguns dos mais duros e belos cenários de média montanha. Entre “Bestas” e piscinas naturais nos rios Frades, Paivô ou Teixeira, há percursos desenhados pelo Mestre Moutinho com diversão e empenos garantidos. O Clube de Montanha da Lousã organiza o seu trail com uma quase certa ausência de lama, mas mantendo todo o esplendor da bela Serra; uma forma diferente de abordar a Lousã.
Em Julho, com o calor a apertar, é altura de fazer Ultras em trilhos mais a Ocidente, nas praias. Da das Maçãs parte o Ultra Trail Monte da Lua para percorrer floresta e costa de Sintra, arribas incluídas, num cenário pintado entre o mar e a serra. Exatamente no mesmo dia (!) há um outro Ultra Trail, um pouco mais a norte, também com o mesmo desenho, o Caldas Ultra Trail. Na semana seguinte a tradicional Ultra Maratona Atlântica liga os 43 km que separam Melides de Tróia.
Agosto é o mês do habitual Trail Noturno de Óbidos, este ano atirado para o segundo fim de semana, coincidindo assim com o Ultra algarvio da Rocha da Pena. Há ainda a Pt281+, a maior Ultramaratona do País, com 281 km, que liga Belmonte a Proença a Nova.
O Grande Trail Serra D’Arga marca o calendário de Setembro e atrairá ainda mais gente a Caminha e à Sra do Minho em ano e território de Mundial. Em 2015 houve ainda o Estrela-Açor Ultra Trail, prova que ainda não tem data, com 180 km entre as duas Serras do maciço central.
Outubro será então o mês de maior visibilidade e projeção do País no panorama internacional do trail, com a realização da prova máxima no Gerês. Na Régua teremos o Réccua Douro, uma prova bem organizada, num cenário bonito embelezado pelas vinhas carregadas. Apesar do mundial, é um mês cheio de provas de norte a sul do país. Haverá ainda uma prova aberta ao público no programa do Mundial.
Em Novembro ruma-se a Barcelos para o Ultra dos Amigos da Montanha, uma semana depois da Ultra da Arrábida.
Para fechar o ano e preparar as festas de Dezembro, há os diversos Christmas Trail e apenas uma ultra, na Ericeira.
A somar a todo este preenchido calendário há ainda diversas provas na Madeira, ora do calendário de trail, ora do calendário do Sky Running, das quais se destaca a Ultra Skymarathon da Madeira, a realizar em Santana no primeiro fim de semana de Junho, e que fará parte do Circuito Mundial da especialidade – o Sky Runner World Series. Esta prova levou ao Mundo imagens fabulosas da ilha da Madeira, captadas pelo conhecido fotógrafo e corredor Ian Corless. Com condições fantásticas para a prática da modalidade, é já um destino de sucesso para quem gosta de desfrutar das corridas na natureza.
Enfim, um calendário preenchido, onde não faltam opções para fazer provas cá dentro, das mais curtas às maiores do mundo. Se pratica trail tem excelentes opções de conhecer melhor o País a correr. Portugal visto de cima é ainda mais bonito. Os caminhos que nos levam aos pontos mais altos são duros, selvagens, mas a recompensa é sempre superior ao esforço. São caminhos que vale a pena perCorrer.
Calendário retirado daqui.
Rui Pinho in Tripas e Nortadas
3 comentários

Leave a Reply

Faça login para comentar

  • André Oliveira

    27.1.2016

    O Ultra Douro-Paiva é em 9-10 Julho.

  • Pedro Machado

    15.1.2016

    (Continuação)… Trail Ultra. :)
    Boas provas, Rui!

  • Pedro Machado

    15.1.2016

    Apenas uma correcção: este ano a prova de 100km do UTSM não faz parte do campeonato nacional de Trail Ultra Endurance. No entanto, a nova prova de 60km fará parte do campeonato de