1
Xmas, ou o que fica depois de um Trail

  
Uns dias passados, já depois de tudo limpo e arrumado, sobram em Matosinhos os surpreendentes trilhos desenhados pela organização e voluntários que ergueram esta corrida de Natal. Lembro-me de ir para a praia de Matosinhos em criança. Apanhava o velhinho eléctrico 19, saía perto de umas fábricas de conservas, e fugia rapidamente para Oeste onde o cheiro das sardinhas não chegava. Ali, num imenso areal entre o paredão e a bola de nívea, extravasava toda a energia de criança alegre com tantos outros que se fatigavam entre mergulhos e chutos na bola. A Praia Moderna era Matosinhos e Matosinhos era pouco mais para quem não conhecia. Entretanto tornou-se um concelho fortemente urbanizado, no litoral e no interior. Rasgada pelo progresso das estradas e metro, a velha cidade tão ligada ao mar é agora âncora de um vasto Concelho moderno, aqui e ali polvilhado por velhas quintas e terrenos agrícolas que ainda resistem ao betão. Mas entre o Centro da Cidade e o Aeroporto há um vasto terreno junto às margens do Rio Leça que se mantém verde e selvagem. E foi ali que se desenhou um percurso com 18 km, numa estreita colaboração entre a Funevents – organizadora do Xmas Trail – e a União de Freguesias de Custóias, Guifões e Leça do Balio, e demais autoridades municipais. 
Prova com elevado sentido de solidariedade – os que concluíram contribuíram para o apoio social da freguesia – e em que a classificação foi relegada para segundo plano. Assim não fosse, e as demoradas filas para atravessar o forte caudal do Rio Leça teriam gerado um motim entre os atletas. Com a intransigente rigidez do Grupo de Operações de Busca e Salvamento – responsáveis pela segurança da prova – os mais de 800 atletas esperaram pacientemente a sua vez de atravessar para os surpreendentes trilhos entre o Monte de S. Brás e o Porto de Leixões. 

Com a intenção da autarquia em transformar uma grande parte do percurso em rotas permanentes, Matosinhos passa a ser destino de Surf, Peixe, Praia e… Trail. Há carrosséis a apenas 2 km do Centro da Cidade, serpenteando as margens de um Rio que já merecia ser mais bem tratado. Com cascatas, moinhos e pontes romanas, só a cor da água nos faz sentir tão próximos do desenvolvimento. 

Para o ano há mais Natal e Trail natalício, nos mesmos trilhos que agora serão palco de corridas a pé ou de bicicleta, para aqueles que não se querem deslocar muito para uma incursão na natureza. E haverá mais solidariedade, distribuindo Natal a quem menos pode. Nisso todos ganhamos e demos a ganhar. 

Rui Pinho

Fotos: Matias Novo

1 comentário

Leave a Reply

Faça login para comentar

  • Pedro Machado da Fonseca

    6.1.2016

    (Y)