Os últimos e a vassoura no Xmas Trail

Ser vassoura? O convite caiu inesperado dos organizadores do Xmas Trail que atravessou a Serra de Negrelos, em Gaia, no domingo passado. E pensámos, que diabo, afinal, terminamos estas coisas das corridas quase sempre no terço do fim e até podemos escrever sobre isso, ora por que não?

Ser vassoura? É uma impagável experiência de partilha e de absoluta fruição dos trilhos, com tempo para rir, para limpar lágrimas alheias, para ensinar o pouco que se sabe. Para ver a paisagem. Havia paisagem. A dada altura, até havia mar a brilhar lá na ponta da terra de onde a olhávamos. Tempo para fotografias parvas, para vídeos, para hiperventilar e, com toda a paz do mundo, deitar para fora todo esse excesso de ar puro.

Ser vassoura é ser o último. Ponto. “É ser o primeiro de mim próprio”. José Aranha é o “tartaruga” do Ffit Gaia Trail Running Team. Zé foi o sorriso constante que entrou no nosso caminho pelos 5 km de uma prova de 17. “Adoro ser último”. Ou dos últimos. Porque isso dá-lhe qualidade. Não, os últimos não se agastam com o recorde pessoal e menos ainda com o dos outros que, a esta hora, já devem ter cruzado a meta. Sem fita, que essa é só para o primeiro…

Corre há três anos na montanha, sempre provas curtas, consciente que o ainda excessivo peso não lhe permite aventuras. Agarra os desalentados, como Maria Munteanu. “Não percebi nada do que disseste, mas deve ser bonito o nome”. Maria é moldava e corria ali a segunda vez por trilhos. “Não gosto disto. Já da primeira vez disse que não corria mais. Desta não corro mais mesmo”. Mudou de ideias, Maria, depois de sofrer, de rir, de nos dar o mais bonito dos abraços. Vai comprar sapatilhas de montanha.

Ser último é sofrer muito mais do que ser primeiro. E ser vassoura é saber destas vidas bonitas. Ser vassoura foi ver Maria, Zé, Sara (sempre a sorrir, sempre, a aprender guiada pelo veterano e paciente Isaac), Liliana, Helena vencerem. Ser vassoura foi ter, pela primeira vez, uma fita para cortar na meta. E festa, tão boa…

Ivete Carneiro

6 comentários

Leave a Reply

Faça login para comentar

  • José Aranha

    24.12.2014

    Ivete foi um prazer disfrutar deste trail na tua companhia e na da Maria. As tuas palavras descrevem na totalidade o que é ser o último, lutar contra nós próprios, ultrapassar os nossos limites, vencer os nossos medos,correr em busca dos nossos objetivos.
    Correr um Trail é poder partilhar com os nossos amigos desta fantástica viagem a nossa alegria, a nossa boa disposição, a nossa energia.
    Com companhias deste calibre até parece fácil.
    OBRIGADO IVETE

  • Francisco Rebelo

    23.12.2014

    Tive o prazer de conhecer o Zé Aranha nos Amigos da Montanha. Uma energia e uma alegria contagiante. Excelente reportagem Ivete. Parabéns a todos que se superam trilho após trilho. Bom Natal!

  • Mário Cristiano Santiago

    23.12.2014

    Grande reportagem! Parabéns ao JN por dar importante relevância aos ultimos da prova pois eles sofrem tanto ou mais que os primeiros pois eles são a prova da persistência e do querer de terminar uma prova dificil como esta e acreditem eu também participei e sofri mt. Pois o Zé Luis Aranha é o exemplo para mt gente da boa disposição que tem e que faz sorrir os outros quando estão em sofrimento… Parabéns Zé!!!
    Mário Santiago equipa Ffit Gaia Trail Running Team

  • Ricardo Bomtempo

    23.12.2014

    Obrigado JN/Ivete por aceitares sentir o que é não ter ninguém para trás de ti numa corrida…com a agravante de nunca poder passar o penúltimo. Grande descrição. Desta vez a reportagem e os heróis foram os últimos 2 classificados . Parabéns!

  • Rui Rangel

    22.12.2014

    Excelente reportagem! A visão única da fantástica aventura do Trail Running numa perspetiva de trás para a frente! O verdadeiro desporto é aquele onde os últimos conseguem ser os primeiros! Parabéns à Ivete, mas também ao José Luís e à Maria pelo espírito combativo e alegria contagiante!

  • Helena Soares

    22.12.2014

    És grande Ivete, foi um prazer privar contigo nesta que foi a minha estreia nos Trails..adorei cada metro percorrido..se foi facil? Nao..mas valeu muito a pena..ganhei um novo vicio :-)