Dos dois aos 35 foi uma corridinha

Numerosos, ruidosos e genuínos, os “Budeguita Runneres” levam por estradas e trilhos o nome do café da Maia onde dois dos fundadores iniciaram o caminho, há dois anos. Hoje, os “pegadas laranjas” são já 35.

O treino dos “Budeguita Runners” começa numa algaraviada feliz e barulhenta, ao final de um dia de semana. O ruído das vozes cruzadas, das histórias partilhadas demonstram ao perto o que ao longe se adivinha. São pessoas da vida uns dos outros. As crianças do grupo correm livres entre as mesas do café “Budeguita”, seguras de que cada par de braços é um colo. Foi ali que tudo começou, há quase dois anos.

“Praticava desporto só no ginásio e tinha sempre o Tiago à perna para ir fazer umas corridas na estrada. Não estava muito virado para isso, mas convenceu-me e acabei por ir”, recordou ao JN Running Paulo Lagoa, dono do “Budeguita”, a sede dos “pegadas laranjas”. “O bichinho entrou e nunca mais saiu. Tornou-se um vício, fazíamos treinos regularmente até à primeira prova, em fevereiro de 2013. A partir daí, foi prova atrás de prova”. E amigo atrás de amigo.

“As crianças foram importantes para o grupo. Conseguimos trazer os pais dos colegas da escola dos nossos filhos…_Depois, a família, amigos, pessoas que corriam aqui e que começaram a ver malta a sair daqui e que se foram juntando… ”, conta Tiago Almeida.

Muitos, juntaram-se pelo convívio, pela inspiração alegre dos “Budeguita”. Começaram pelas caminhadas, achando que esse seria o limite. Não saberiam eles que limites é coisa que os pegadas laranjas desafiam a cada etapa superada.

Atualmente, são 35 adultos e 12 crianças. “Nunca me passou pela cabeça ter um grupo maravilhoso como este e andar nas lides das provas tanto de estrada, como de monte. Tenho pessoas conhecidas que viram as camisolas e associam logo ao nosso grupo. Dizem, vi um budeguita a treinar”, explica Paulo Lagoa.

Já foram correr a Vigo e até pensam internacionalizar mais o grupo: Paris, Londres, Berlim, o Mundo até parece pequeno para pegada tão grande.

Maria Cláudia Monteiro

0 comentários

Leave a Reply

Faça login para comentar