Experimentámos a compressão portuguesa myleggs

myleggs3.696
A marca é portuguesa e pretender oferecer aquilo que oferecem grandes marcas internacionais de compressão, mas a um preço mais baixo, pela simples razão de que essas marcas são feitas em Portugal, mas no ir e vir dos negócios acabam por ver o preço aumentado. Chama-se myleggs e já tem perneiras, meias curtas e meias altas à venda online. A prazo, a ideia é ter uma linha de roupa técnica.

O JN Running testou as perneiras da linha casual, cujas características técnicas apontam para o uso multidesporto. São de compressão ligeira, com maior estabilidade na parte da frente e mais elasticidade na zona do gémeo, diferenciando-se das técnicas por não terem as linhas estabilizadoras laterais, nem o refletor traseiro. São confortáveis e oferecem a estabilidade suficiente para corridas ligeiras e sem grandes exigências técnicas. Disponíveis em quatro cores, não desbotam nas lavagens nem parecem acumular nódoas, nem odores.

Pontos positivos: conforto, leveza, preço (15 euros, que sobem para 20 na versão técnica e para 27,50 na versão meia de compressão alta). Pontos negativos: tornam-se algo quentes nos dias de maior calor e demoram algum tempo a secar.

Porquê a aposta na compressão?

“Temos as melhores fábricas de têxtil. Mas quem leva os louros são os estrangeiros”, diz Jorge Azevedo, corredor e responsável da myleggs, lembrando que os produtos de algumas grandes marcas internacionais de compressão são feitos em Portugal. Certo de que a corrida não é apenas uma moda, decidiu criar um produto nacional, aproveitando a proximidade quer com a produção (as fábricas, onde também se faz investigação de produto), quer com o mercado (o meio dos corredores, a que pertence). Começou com as perneiras por poderem incorporar tecnologia e serem um produto de cada vez maior procura. E colocou-o nas pernas de alguns atletas de pódio da corrida de montanha.

Para quê a compressão?

A compressão é defendida com oferecendo estabilidade aos músculos, evitando vibrações e favorecendo o retorno venoso, portanto, melhorando a oxigenação dos músculos e evitando a acumulação de toxinas, reduzindo a fadiga muscular e as lesões resultantes do impacto e acelerando a recuperação.

IC

0 comentários

Leave a Reply

Faça login para comentar