Testamos as Newton Gravity III

newton696

A marca americana Newton Running disponibilizou por estes dias a sua loja online para Portugal, através da Newton Running Portugal, depois de cerca de um ano de presença discreta no mercado português. As Newton Running são sapatilhas anunciadas como promotoras de uma performance mais rápida e sem lesões.

Criadas em 2008, nasceram da cabeça de um corredor, Brian Russel, que começou a desconstruir o movimento dos pés durante a passada, enquanto corria. E desenhou a tecnologia “action-reaction”, que consiste essencialmente numa câmara de ar no antepé.

Tem como objetivo absorver a energia da passada e libertá-la a seguir, gerando uma reação de impulso, que tornará mais rápida a performance. Além disso, as Newton apresentam um desnível muito curto do calcanhar aos dedos (drop), promovendo uma passada mais próxima do natural, sem deixar ter amortecimento.

Depois de corrermos vários quilómetros em circuitos puramente urbanos com as Gravity III, incluindo a recente Meia Maratona do Porto, podemos dizer que as Newton são, antes de mais, muito diferentes das sapatilhas a que estamos habituados. A começar pela leveza (212 gr) e pela frescura do material. A rede respirável seca rapidamente quando molhada e não cria a sensação de humidade que acaba por incomodar em distâncias mais longas.

Do ponto de vista físico, a sensação à primeira passada é efetivamente a da alteração da postura. A saliência sob o antepé parece obrigar a endireitar o tronco e a projetá-lo ligeiramente para a frente, diminuindo o impacto com o calcanhar. À primeira corrida, o efeito Newton é de… dores. A sapatilha trabalha os gémeos e o solear de maneira diferente das outras.

Consciente desta dificuldade, a marca criou este ano três versões da tecnologia action-reaction, a que chamou “POP – point of power”, para permitir aos mais cépticos uma habituação gradual. As Newton POP 3 são as mais parecidas com as sapatilhas comuns, com uma câmara menos saliente e recheada de espuma e um drop de 6 mm do calcanhar aos dedos. As POP 2, intermédias, têm drops de 4,5 mm. Finalmente, as mais técnicas – entre as quais se incluem as Gravity – têm drops de 3 mm e 2 mm e uma câmara de ar mais saliente.

No que toca à prestação da sapatilha, concluímos que oferece uma sensação de conforto pela leveza, é bastante interessante para subidas (rampas e escadas), na medida em que favorece a passada apoiada no antepé, e parece aliviar a pressão sobre as articulações, aumentando, contudo, o esforço muscular. Foram necessários vários treinos para os músculos se adaptarem. Nas longas distâncias, tem a vantagem da leveza. Um ponto negativo: escorregam ligeiramente em piso urbano inclinado quando chove.

Um pouco de história
Brian Russel conheceu e convenceu Danny Abshire e Jerry Lee, os fundadores da marca, cuja primeira ideia foi vender a tecnologia a grandes nomes como a Nike ou a Adidas. Perante as negas recebidas, avançaram para a marca própria e investiram no segmento topo de gama, com preços que ombreiam os das sapatilhas líderes das grandes marcas. Hoje, são usadas por atletas de renome e já constam de recordes. É a marca escolhida, por exemplo, por Harvey Lewis, que venceu este ano a mítica Badwater.

A Newton chegou a Portugal em Julho de 2013 através da South Fashion Brand, de Guilherme Perry Sampaio. Dedicado à representação de marcas estrangeiras de moda em Portugal e vice-versa, conheceu as Newton numa montra em S. Paulo. Atraído pelas cores vibrantes – uma das imagens de marca da Newton – contactou a Newton Running, no Colorado, EUA, e conseguiu a representação.

Para a comercialização, a South Fashion Brand optou pela distribuição na rede de lojas multimarca Sport Zone e desafiou corredores que “são líderes de opinião no seu meio” a serem “embaixadores”. Cumpre-lhes usar as Newton e “prescrevê-las”, com treinos acompanhados de iniciação. Até agora os interessados compravam à marca por correio. Agora, dispõem da loja online, onde encontra os vários modelos, com preços dos 120 aos 175 euros e, até, uma nova versão para trail.

Ivete Carneiro e Cláudia Monteiro

0 comentários

Leave a Reply

Faça login para comentar