Atleta tirsense correu 200 km pelas vítimas de cancro

albinix696

Albino Magalhães, “O Lobo”, percorreu de uma vez só todo o Camino dos Faros, de Malpica a Finisterra, na Galiza, 200 km de uma ação solidária que reuniu várias centenas de euros.

No dia 15 de agosto, pelas 17 horas de Malpica, na Galiza, Albino ouviu o tiro de partida imaginário de uma corrida de 200 km que cumpriu sozinho, que é como quem diz, sem apoio de nenhuma organização. E fê-lo em nome de doentes com cancro da mama. Porque era demasiado penoso fazê-lo pelo puro egoísmo da superação individual.

Natural de Santo Tirso, Albino Magalhães tem 31 anos. É militar de profissão e corredor de montanha nas horas livres há cerca de cinco anos. Com o passar do tempo e a evolução da performance, o “Lobo”, como é conhecido nos trilhos, foi atrás de desafios sempre maiores. Depois de concluir os “101 km Peregrinos”, ou Caminho de Santiago de Inverno, em Ponferrada, Espanha, surgiu-lhe na mira o Camino dos Faros.

Trata-se de um percurso de 203 km pelo faróis da Costa da Morte, de Malpica a Finisterra, normalmente feito a caminhar e partido em oito etapas. Albino decidiu fazê-lo seguido. E percebeu que teria “um nível elevado de exigência” que não faria sentido cumprir sem outra luz que não a do farol final de Finisterra.

“Como é a Costa da Morte”, uma agrestia em que a vida é guiada por faróis, Albino, a esposa (grávida) e os amigos pensaram nas luzes que guiam as mulheres com cancro da mama. “Será um bocado como as batalhas diárias destas mulheres, que todos os dias têm um farol que fá-las querer acordar no dia seguinte”.

Apoio da Câmara

Albino falou com a Liga dos Amigos do Hospital de Santo Tirso e com a Câmara. E decidiu “vender” o percurso a empresas, por etapas: um euro por quilómetro, no mínimo, o que representaria pouco para os doadores, dado que as etapas do percurso têm entre 17 e 32 quilómetros. “Alguns compraram duas etapas, outros deram valores que nem sequer encaixavam em nenhuma quilometragem. Já “demos” quase três voltas ao percurso”.

Feito o desafio, Albino conseguiu mais de 600 euros para entregar à Liga, para próteses mamárias e sutiãs adaptados para vítimas de cancro. E teve uma carrinha cedida pela Câmara de Santo Tirso, para levar a equipa de apoio durante o percurso. Foram seis pessoas a fazer turnos para acompanhá-lo, como acontece em provas como a Badwater, na Califórnia.

A expectativa do Lobo era percorrer o Camino dos Faros em 24 horas. Arrancou de Malpica às 17 horas de dia 15, para evitar temperaturas de verão e aproveitar a frescura da noite. Chegou a Finisterra às 18 horas de dia 16. Foram 25 horas. E diz que viu paisagens de uma beleza incrível. “Aconselho a quem gostar de dormir na natureza”. Albino treinou diariamente para conseguir o feito. Ter posto nele mais uma hora não foi dramático: deu-lhe tempo para apreciar e, até, perder-se. Agora, está aberto a reunir mais ajuda para a Liga.

Quase foi atropelado

Quando cumpria calmamente o penúltimo treino para o desafio solidário, na quarta-feira, Albino Magalhães escapou por pouco de um acidente. Um “piloto frustrado que faz das nossas estradas autódromos imaginários” cortou uma curva de tal maneira que passou o limite da guia que marca o espaço para peões quando não há passeio.

O atleta, que seguia de frente para o trânsito, “como mandam as regras” conseguiu atirar-se in extremis para a valeta. Ficou direito, mas sem os óculos, que foram parar debaixo do carro cujo condutor não se dignou parar.

“Hoje foi mais um pedra que apanhei para no fim construir o meu castelo”, escreveu Albino no seu Facebook, lembrando os condutores que podia ser uma criança a caminhar por ali, e não um atleta com reflexos prontos.

Ivete Carneiro

0 comentários

Leave a Reply

Faça login para comentar